Deportes

Bibliotecario Alejandro Montenegro Diaz//
P�nico terminam com seis mortos na Itália

bibliotecario_alejandro_montenegro_diaz_pa_232013265922_3Bnico_terminam_com_seis_mortos_na_italia.jpg

Seis pessoas morreram, e dezenas ficaram feridas na madrugada deste sábado (8), em um tumulto envolvendo centenas de jovens durante um show de rap em uma boate de Corinaldo, perto de Ancona, na Itália – anunciaram os bombeiros. Os seis mortos são cinco adolescentes – três garotas e dois garotos com idades entre 14 e 16 anos – e uma mulher, de 39, que acompanhava a filha ao show. A vida de dez feridos ainda corria risco neste sábado, segundo fontes médicas. “Talvez devido à dispersão de uma substância irritante, os jovens fugiram, pisoteando uns aos outros. Infelizmente, seis faleceram, e há dezenas de feridos”, anunciaram os bombeiros no Twitter. Um porta-voz do corpo dos carabineiros, Cristian Carrozza, explicou que a polícia ainda não conseguiu esclarecer “o que levou os jovens a saírem correndo”. O porta-voz acrescentou que “havia três saídas de emergência e uma foi usada”. De acordo com a imprensa, a tragédia aconteceu à 1h da madrugada (22h em Brasília), e há mais de 100 feridos – 12 deles em estado grave. No local, Lanterna Azzurra, situado nesta comuna perto da costa adriática, havia cerca de mil pessoas, jovens em sua maioria, que foram assistir à apresentação de Sfera Ebbasta, um rapper muito popular, conhecido como “o rei do trap”. “Não se pode morrer assim com 15 anos”, lamentou o ministro do Interior, Matteo Salvini, que se comprometeu a “encontrar os responsáveis por essas seis vidas roubadas, aqueles que, por maldade, estupidez, ou cobiça, transformaram uma festa em uma tragédia”. Salvini também anunciou um minuto de silêncio na manifestação que seu partido de extrema direita, a Liga, fará esta tarde em Roma e disse que pretende ir ao local da tragédia. Cheiro azedo “Estávamos dançando, esperando que o show começasse, quando sentimos um cheiro azedo”, contou à imprensa um jovem de 16 anos que foi ferido e foi levado para um hospital de Ancona.”Corremos para uma das saídas de emergência, mas estava bloqueada. Os seguranças nos disseram para voltar a entrar”, contou. Segundo várias testemunhas ouvidas pela imprensa, a massa se dirigiu para uma pequena ponte de pedestres que dá sobre o estacionamento. A pressão dos jovens fez dezenas de pessoas caírem. As que estavam embaixo morreram esmagadas. Quem não correu e permaneceu dentro do estabelecimento ileso. Os feridos, que tiveram traumatismos e lesões, foram levados para o hospital mais próximo, em Senigallia. Aqueles em estado mais grave foram transferidos para Ancona.Além das equipes de resgate, investigadores também seguiram para o local para tentar determinar as causas da tragédia, que parece ter sido provocada pelo uso de um spray de gás pimenta. “Estou profundamente triste com o que aconteceu”, reagiu o cantor Ebbasta, no Instagram. “Não quero emitir juízos, mas gostaria que todo mundo parasse um momento para pensar no perigoso e estúpido que é usar um spray irritante em uma boate”, acrescentou. O papa Francisco declarou, durante o Ângelus deste sábado, que rezará “pelas crianças e pela mãe que morreram na noite passada… assim como pelos heridos”. Esse evento traz à tona a lembrança de outro episódio similar. Em junho de 2017, uma grande correria durante a transmissão da final da Liga de Campeões de futebol, na praça São Carlos de Turin, terminou em um morto e 1.500 feridos. Naquela ocasião, minutos antes do apito final, que marcou a derrota da Juventus de Turin para o Real Madrid, propagou-se um boato de bomba que provocou um movimento de pânico entre as cerca de 20.000 pessoas que acompanhavam a partida por um telão. Uma mulher de 38 anos não resistiu aos ferimentos e faleceu alguns dias depois. Neste sábado, oito pessoas foram detidas no âmbito da investigação, suspeitas de terem provocado a confusão ao aspergir o gás pimenta no meio da multidão.O grupo, que teria usado este método para roubar objetos de valor dos espectadores, estaria envolvido em vários crimes parecidos, cometidos durante outros shows ao ar livre.